Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
.
Os Sumérios
 
 .       .
 
Foi a Voyager que despertou nossa atenção para a importância das colisões, declarou o cientista Edward Stone, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, chefe do Programa Voyager. Os choques cósmicos foram os potentes escultores do sistema solar.

Mas os sumérios já haviam esclarecido esse fato há 6 mil anos. O ponto central de sua cosmogonia, visão de mundo e religião, foi o cataclismo, chamado de Batalha Celeste e o texto mais completo que chegou até nós trata da formação do sistema solar antes da batalha celeste e explica enigmas que ainda preocupam nossos astrônomos e astrofísicos.
 

E o que é mais importante: sempre que os cientistas chegam a uma resposta satisfatória, ela se adapta à realidade suméria e a corrobora.

 
.
Num estudo feito nos planetas do nossos sistema, a probabilidade de uma colisão celeste surgiu como a única resposta plausível . As luas de Urano, bem como sua posição, levaram os cientistas da NASA à conclusão de que uma colisão com algo do tamanho da terra, viajando a mais de 60 mil quilômetros por hora, poderia ter causado isso, declararam, sugerindo que provavelmente isso aconteceu há cerca de 4 milhões de anos.

Os sumérios falam de um único acontecimento global e seus textos são mais esclarecedores do que os astrônomos modernos, quando tentam explicar os planetas exteriores. Os documentos antigos também explicam assuntos mais próximos de nós, como a origem da Terra e da Lua, do Cinturão de Asteróides e dos cometas.

Os textos suméricos relatam que tudo começou quando o sistema solar ainda era jovem. O Sol e Tiamat foram os primeiros membros do sistema solar, que gradualmente foi se expandindo com o nascimento de mais três pares planetários, os planetas que chamamos de Vênus, Marte e Mercúrio e depois o par de gigantes Júpiter e Saturno e, além de Tiamat, Urano e Netuno mais afastados ainda.
 

.
Nesse sistema solar inicial, ainda instável logo após a formação (tempo calculado em cerca de 4 milhões de anos), surgiu um invasor. Os sumérios o chamavam de Nibiru; os babilônios o rebatizaram de Marduk em homenagem ao seu deus nacional. Ele surgiu do espaço exterior mas, ao aproximar-se dos planetas exteriores do sistema solar, começou a ser atraído para dentro dele.

O primeiro planeta a atrair Nibiru/Marduk com sua força gravitacional foi Netuno. Faíscas e raios foram arremessados por ele quando passou por Netuno e Urano. Pode ter chegado com seus próprios satélites orbitando a sua volta ou adquiriu alguns pela força gravitacional dos planetas exteriores. Os textos antigos falam de seus membros perfeitos... difíceis de distinguir. Quando passou próximo de Netuno, um lado de Nibiru/Marduk se soltou e tudo leva a crer que se transformou em Tritão, lua de Netuno. Um aspecto que reforça essa possibilidade é que Nibiru/Marduk entrou no sistema solar numa órbita retrógrada (no sentido horário) ao contrário do movimento dos outros planetas. Apenas esse detalhe sumério de que o planeta invasor tinha um movimento orbital contrário aos dos outros planetas pode explicar o movimento retrógrado de Tritão, as órbitas muito elípticas dos outros satélites e cometas.

Outros satélites foram criados quando Nibiru/Marduk passou por Urano havendo, nos textos sumérios, uma clara referência à formação das quatro luas principais de Urano, que aconteceu durante a colisão que inclinou esse planeta. Ao mesmo tempo, numa passagem posterior do texto, é dito que Nibiru/Marduk ganhou mais três satélites como resultado desse encontro.
 

.
Passando por Netuno e Urano, Nibiru/Marduk penetrou ainda mais no sistema solar e alcançou a imensa força gravitacional de Saturno, que mudou para sempre a órbita de Nibiru/Marduk. Foi também quando Plutão (que era satélite de Saturno) foi afastado em direção a Marte e Vênus, fazendo uma vasta órbita elíptica e retornando para os confins do sistema solar.

O novo trajeto orbital de Nibiru/Marduk estava irrevogavelmente traçado na direção do planeta Tiamat. Apesar de estarem em processo de colisão, Tiamat orbitando em sentido anti-horário e Nibiru/Marduk em sentido horário, os dois planetas não colidiram fato de importância astronônica fundamental. Foram os satélites de Nibiru/Marduk que golpearam Tiamat e colidiram com seus satélites. Desta colisão, Tiamat fendeu-se em grandes rachaduras e seu satélite principal, Kingu, perdeu sua órbita independente.

Nibiru/Marduk continuou seguindo seu novo destino, em volta do Sol e, em seu retorno, novamente voltou a Tiamat. Com isso, o ato de criação dos céus atingiu seu estágio final e iniciou-se a criação da Terra e sua Lua. Primeiro, os novos impactos partiram completamente Tiamat ao meio. A parte superior foi golpeada por um dos satélites de Nibiru/Marduk que a levou, junto com Kingu, a locais antes desconhecidos - a uma órbita inteiramente nova onde antes não havia nenhum planeta. A Terra e a Lua estavam criadas. A outra metade de Tiamat partiu-se com os impactos em pequenos pedaços, formando o Cinturão de Asteróides.

Depois disso, Nibiru/Marduk cruzou os céus e avaliou as regiões e, segundo o texto antigo, também deu a Plutão seu destino final, designando-lhe um lugar oculto uma parte ainda desconhecida do céu. Era além da posição de Netuno; pelo que dizem, era no abismo - distante no espaço. Desse modo, Plutão foi localizado na órbita que hoje ocupa.
 

.
Diz o texto que, ao construir as estações para os planetas, Nibiru fez para si duas moradas. Uma ficava no Firmamento (como também é chamado o Cinturão de Asteróides nos textos antigos) e a outra distante, no abismo, que era chamada a grande morada. Os astrônomos modernos chamam essas duas posições planetárias de perigeu o ponto orbital mais próximo do Sol e apogeu o ponto mais distante.

Assim chegou o Invasor do espaço exterior Nibiru/Marduk - para se transformar em mais um membro do Sistema Solar, com uma órbita que leva 3600 anos para se completar. 

 
 .
 
 
 
.                                                                                                                               . 
O Caminho da Rosa Dourada 
o mais novo livro do Imagick 
está em promoção de lançamento 
.
Peça o seu (11) 9905.6685 - (11) 3813.4123
.
 Investimento R$ 28,00 mais  taxa de Correio 
 
 
 
 Volta para página inicial 
 Vai para atividades do mês
 Volta para Índice Geral do Imagick
 
 
boletim@imagick.org.br
 
 
 
Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
Uma escola moderna de magia
(0xx) (11) 3813.4123
 
 
 
 
Página desenvolvida por:
Imagick Edições e Comunicações Visuais
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Quem somos O Imagick A Cidade das Estrelas A Irmandade das Estrelas Programação de Atividades Nossa Turma (Biografias) Contatos / Redes Sociais Cursos e Vivências Cursos Imagick ao Vivo Cursos e Vivências em CDs Cursos e Vivências em DVDs Programe sua Mente Reprograme sua Mente Vivências Externas Consultas Online Consulta Gratuita de Tarot I Ching Gratuito Runas Grátis Consulta ao Mestre Nazareno Reicki a Distãncia Oráckulo - Mensagem do Dia Pantáculos Zodiacais O Baú Magicko da Bruxa Pratickas Saude Magicka Treinamentos Magickos Meditações Magickas Orações Magickas Pensamento Magicko Consultas Pessoais Consulta Particular de Tarot Regressão de Memória Criação de Pantáculos Artigos Novidades Psiquê Mágicka Sistemas Mágickos Artigos Intrigantes Mistérios Curiosos Tradições Religiosas Comportamento Mágicko Música Magicka Notícias Mágickas Divertimentos Magickos Matemática Curiosa Variedades Significativas Ilusões Magickas Paginas Selecionadas Boletins Magickos Midia Fotos Magickas Videos Magickos Livros e Publicações Links Parceiros Imagicklan Nossa História Amor Incondicional Anjos e Demônios Consultas Gratis Vossos Deuses Deuses Egípicios Tipos de Magia Ser Bruxa Imagens de Jesus Reprograme sua Mente Cura pelo Pensamento Poder da Palavra Programação Mental Vida Secreta de Jesus A Pessoa de Jesus Tratamento Vidas Passadas Sistemas Alternativos Ritual de Pacto de Amor Bruxarias Magickas Runas e Numerologia Inscrição